A campanha do Los Angeles Rams até o Super Bowl 56

rams-49ers-final-nfc

Após bater na trave nos últimos anos, o Los Angeles Rams foi para o ‘tudo ou nada’ em 2021 – trazendo Matthew Stafford em uma troca ousada com os Lions. Deu muito certo: o veterano encaixou rapidamente no esquema de Sean McVay e levou a equipe ao Super Bowl logo em sua primeira temporada. Como foi a campanha do Los Angeles Rams até a decisão no SoFi Stadium?

A chegada de Stafford elevou imediatamente a equipe de patamar – inclusive nas casas de aposta. A batalha dentro da NFC West foi dura, afinal, trata-se da divisão mais forte da NFL. Após um 12-5 na temporada regular, LA teve a terceira melhor campanha da Conferência Nacional e foi dominante nos playoffs. Veja com detalhes a campanha dos Rams até o Super Bowl 56.

Super Bowl 56 – Cincinnati Bengals x Los Angeles Rams
Data:
13 de fevereiro de 2021
Hora: 20h30 (de Brasília)
Local: SoFi Stadium, em Los Angeles
Onde assistir: ESPN, Star+ e NFL Game Pass

Veja as últimas do Super Bowl 56:

>> VEJA O GUIA COMPLETO DO SUPER BOWL 56 COM TODOS OS TEXTOS JÁ FEITOS

Início avassalador sob a batuta de Stafford

Quem esperava um período de adaptação de Matthew Stafford ao novo time se supreendeu como o QB se adaptou facilmente ao esquema do técnico Sean McVay. O veterano brilhou e foi fundamental no início avassalador de temporada – com sete vitórias nos oito primeiros jogos. O único tropeço veio diante do então invicto Arizona Cardinals – rival de NFC West. O triunfo contra os Buccaneers de Tom Brady na semana 3 mostrou que a equipe brigaria por coisas grandes na temporada.

Período de instabilidade com adversários complicados

A briga com Arizona pelo caneco da divisão com Arizona sofreu um baque entre as semanas 9 e 12: foram três derrotas consecutivas e o bye na semana 11. Justiça seja feita, os adversários foram duríssimos: Titans e Packers ficaram em primeiro em suas respectivas conferência e os Niners viriam a ser os oponentes vencidos na final da NFC semanas depois.

Arrancada final e título da NFC West

Com um início 7-4, os Rams precisavam de uma arrancada final para ultrapassar os Cardinals e garantir o título da divisão. Los Angeles contou com a queda de rendimento do rival e deu conta do recado: uma sequência incrível de cinco triunfos consecutivos entre as semanas 13 e 17. As vitórias mais marcantes foram diante dos Cardinals, no Arizona, e um 20 a 19 contra os Ravens em Baaltimore.

Los Angeles precisava vencer na semana 18 para carimbar o título da divisão sem depender do resultado dos Cardinals, mas outra vez estava no caminho o San Francisco 49ers. Os Rams abriram 17 a 0, mas acabaram levando a virada na prorrogação. Como Arizona também perdeu, o time de Sean McVay garantiu o caneco da NFC West e o mando de campo no Wild Card.

Rams vencem a NFC com autoridade

O primeiro compromisso da equipe na pós-temporada foi um passeio: 34 a 11 contra os Cardinals no SoFi Stadium. Os Rams entraram com a ‘faca nos dentes’ e não deram qualquer chance para o rival – uma intensidade necessária para jogar na pós-temporada da NFL. A feroz defesa apareceu e finalmente rendeu o que se esperava pelo talento que possui: foram apenas 175 jardas cedidas e duas boas interceptações em Kyler Murray – incluindo uma pick-six.

O adversário no Divisional foi nada menos que o atual campeão Buccaneers de Tom Brady. Os Rams flertaram com um perigo absurdo: seria um vexame histórico perder uma partida de playoffs após abrir 27 a 3 na segunda etapa. Los Angeles REALMENTE tentou ‘entregar a paçoca’: foram quatro fumbles e uma série de erros na cobertura dos passes. A classificação deve ser colocada no sangue-frio da dupla Matthew Stafford e Cooper Kupp – que posicionaram Matt Gay para o chute da vitória no estouro o cronômetro.

Na final da NFC outra pedreira: um 49ers que havia vencido todos os últimos seis compromissos entre os rivais de divisão. O que os Rams fizeram foi épico: a equipe entrou no último quarto perdendo por dez pontos e arquitetou uma virada incrível – vencendo por 20 a 17 no SoFi Stadium. Muito do triunfo pode e deve ser colocado nos ombros de Matthew Stafford: veterano mostrou uma calma absurda no último período e arquitetou uma das maiores viradas da história da decisão da NFC.

    Matheus Filippi

    Jornalista de Jundiaí e apaixonado pela NFL, Matheus Filippi é fundador e editor-chefe do Última Jarda

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Odds Shark Ad Bottom