A campanha do Cincinnati Bengals até o Super Bowl 56

bengals-ravens-semana7

Quando a temporada 2021 começou, o Cincinnati Bengals não era, nem de longe, candidato ao título: o antepenúltimo na lista de favoritos ao Super Bowl nas casas de aposta. Alguns meses depois, o time de Zac Taylor está a uma partida de levantar o Troféu Vince Lombardi no dia 13 de fevereiro. Como foi a campanha dos Bengals até a decisão deste domingo (13) no SoFi Stadium?

A equipe que muitos projetavam como promissora no futuro deu frutos já no presente: apoiada no talento dos jovens Joe Burrow e Ja’Marr Chase e uma defesa que encaixou no momento certo. Veja com detalhes toda a caminhada de Cincinnati até a decisão na Califórnia.

Super Bowl 56 – Cincinnati Bengals x Los Angeles Rams
Data:
13 de fevereiro de 2021
Hora: 20h30 (de Brasília)
Local: SoFi Stadium, em Los Angeles
Onde assistir: ESPN, Star+ e NFL Game Pass

Veja as últimas do Super Bowl 56:

>> VEJA O GUIA COMPLETO DO SUPER BOWL 56 COM TODOS OS TEXTOS JÁ FEITOS

Início promissor com Chase contribuindo logo de cara

A estreia da equipe veio com vitória contra os Vikings, mas com mais emoção do que a torcida esperava: 27 a 24 com field goal na prorrogação. Ja’Marr Chase já trouxe o seu cartão de visitas passando das 100 jardas e o seu primeiro touchdown. Era o início de uma das parcerias mais prolíficas da temporada 2021.

Os quatro próximos compromissos mostraram altos e baixos da equipe. Cincy bateu Jaguars e Steelers e tropeçou para dois times da NFC North: Bears em Chicago e Packers em casa – mais uma vez na prorrogação. O balanço inicial foi positivo: início de 5-2 e liderança da AFC North.

Atropelamentos e tropeços inesperados até o bye

O desempenho nas semanas 6 e 7 foi excelente: atropelamentos contra Lions e Ravens. Cincinnati anotou 75 pontos nos dois jogos – com Joe Burrow a cada jogo mais consistente.

Quando parecia que os Bengals iriam embalar, eis que a equipe perde para o New York Jets – em uma atuação desastrosa da defesa. O jovem Mike White destruiu a secundária com 405 jardas e três touchdowns. A equipe sentiu o baque e voltou a tropeçar na semana seguinte de forma preocupante: 41 a 16 para o Cleveland Browns.

Reta final avassaladora e classificação aos playoffs

Zac Taylor arrumou a casa no bye e o resultado veio: vitórias convincentes contra os Raiders na semana 12 e Steelers na 13. A instabilidade que marcou a equipe mais uma vez marcou presença: tropeços para Chargers de Justin Herbert e 49ers – mais uma vez na prorrogação.

A equipe estava 7-6 e precisava de uma arrancada para vencer a acirrada divisão – e ela veio: Cincy bateu Broncos, Ravens e Chiefs com muita autoridade. Joe Burrow foi um monstro: foram quase mil jardas e oito touchdowns somando os embates contra Baltimore e Kansas City – que garantiram o título da divisão e o mando de campo nos playoffs.

Azarão na pós-temporada, Bengals venceu a AFC com autoridade

Campeão da sua divisão, Cincinnati recebeu o até então ‘imortal’ Las Vegas Raiders – com a missão de acabar com o jejum de 31 anos sem vencer um jogo de playoffs. A vitória veio, mas com emoção: 26 a 19 no Paul Brown Stadium.

A missão no Divisional era difícil: o Tennessee Titans que ostentava a melhor campanha da AFC. Considerado o grande azarão do duelo, Cincinnati anulou o forte jogo corrido do rival e levou a melhor com um field goal decisivo de Evan McPherson no estouro do cronômetro. Apesar de sofrer NOVE sacks, Joe Burrow foi decisivo na vitória.

Considerado zebra por sete pontos na decisão contra os Chiefs, Cincinnati foi valente e, mesmo perdendo por 18 pontos, arquitetou uma virada incrível e levou o duelo para a prorrogação. Mais uma vez Evan McPherson foi perfeito e levou Cincinnati para o Super Bowl 56 com um field goal decisivo no tempo extra.

    Matheus Filippi

    Jornalista de Jundiaí e apaixonado pela NFL, Matheus Filippi é fundador e editor-chefe do Última Jarda

    Odds Shark Ad Bottom