Tom Brady é o maior jogador da história da NFL. Ponto final.

Tom Brady é o maior jogador da história da NFL (Reprodução/Buccaneers)

Ao contrário da maioria dos conteúdos do Última Jarda, este texto traz um caráter mais opinativo, mas necessário para entender o tamanho e a dimensão de Tom Brady na NFL. Comecei a acompanhar o futebol americano em 2003 e desde 2010 cubro a NFL como jornalista, portanto, tive o prazer e a honra de acompanhar grande parte da trajetória do quarterback na liga.

Já trabalhei em inúmeros jogos e escrevi incontáveis textos que envolviam o QB amado e odiado que veste a camisa 12. Por mais que a superioridade de Brady fosse algo até óbvia de uns anos para cá, sempre foi de bom tom se referir ao jogador como POSSIVELMENTE o maior da história.

Após a conquista do Super Bowl 55 e tudo que ele construiu nos dois anos com os Buccaneers, creio que este zelo pela imparcialidade jornalística da minha parte finalmente acabou. Agora é oficial: Tom Brady é o maior de todos os tempos da NFL. Simplesmente: GOAT.

Veja mais do Especial Tom Brady:

A ideia aqui não é ficar apenas listando recordes e conquistas de Tom Brady – até porque quase todo fã da NFL sabe de cor. O roteiro para a eternidade já estava bem traçado: um quarterback selecionado na 6ª rodada do Draft de 2000 e que construiu uma carreira única em 20 anos no New England Patriots: nove participações no Super Bowl e seis títulos conquistados.

Números incontestáveis, certo? Errado. Por mais que digam que não, todo fã de NFL tinha aquela dúvida, aquele pequenino ‘senão’ dentro da cabeça: será que Brady é realmente bom ou é fruto do sistema vitorioso dos Patriots? A genialidade vem do talento do camisa 12 ou das chamadas e a tutela de Bill Belichick?

Eis que TB12 resolve nos trazer a resposta. O veterano sabia que apenas o sucesso em outra franquia podia acabar com essa pulga atrás da orelha de todos. Em um ato de bravura, ele deixa o time que chamava de lar por duas décadas rumo ao desconhecido. Sempre focado na glória eterna.

Brady quebrou a última barreira que o separava da unanimidade

Não havia uma ‘cultura vencedora’ em Tampa, não tinha Belichick no banco de reservas, mas o talento e a genialidade de Tom Brady estavam lá. O camisa 12 poderia ter escolhido praticamente qualquer equipe da liga, mas resolveu apostar nos Buccaneers – uma franquia há décadas esquecida e que alguns novatos na NFL mal conheciam.

Quem acompanhava mais de perto sabia que a escolha tinha sido certeira: uma equipe estruturada, com um bom técnico, que tinha bastante talento dos dois lados da bola oval, mas que estava, no jargão da liga, ‘a um quarterback de vencer’. Mesmo assim, muitos críticos cansaram de dizer que Brady antecipava sua aposentadoria no clima ameno da Flórida.

Mesmo com um começo um pouco instável, algo ainda mais normal por conta da pandemia, Brady foi se encontrando e ‘moldando’ aquela cultura vencedora a sua volta. Não era Belichick, era ele.

A última barreira rumo a unanimidade foi desmoronando aos poucos, a cada vitória nos playoffs, e terminou de cair no Super Bowl 55. Liderados por Brady, os Bucs dominaram completamente o atual campeão Chiefs e venceram o título – a primeira equipe da história a conseguir tal feito em seu estádio. Claro que Tom Brady não venceu sozinho, mas é bem óbvio que tudo isso não aconteceria se ele não tivesse feito as malas e voado de Boston para Tampa Bay.

Como se já não fosse o suficiente, o sucesso do quarterback na Flórida se repetiu em 2021: Brady liderou a NFL em passes completos (719), jardas aéreas (5,316), e touchdowns (43). Apesar das várias lesões nos Buccaneers na reta final, TB12 levou seu time ao Divisional – a duas partidas da glória eterna mais uma vez. Um monstro.

Acabou o papo do ‘QB de sistema’, acabou comparações com outro quarterback, acabou qualquer dúvida que poderia existir. Acabou. Agora só nos resta aplaudir e nos acostumar a dizer: Tom Brady, o maior jogador da história da NFL. O GOAT. Ponto final.

    Matheus Filippi

    Jornalista de Jundiaí e apaixonado pela NFL, Matheus Filippi é fundador e editor-chefe do Última Jarda

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Odds Shark Ad Bottom