Andrew Luck deixa os Colts e anuncia a aposentadoria da NFL aos 29 anos

De todas as histórias de jogadores que se aposentam da NFL de forma precoce, a de Andrew Luck talvez seja a mais surpreendente de todas. Após lutar contra uma série interminável de lesões ao longo da carreira, o quarterback do Indianapolis Colts anunciou em uma entrevista coletiva neste sábado (24) que não vai mais jogar na NFL.

“Não é uma decisão fácil. Honestamente, é a decisão mais difícil da minha vida. Mas é a decisão correta para mim” disse Luck aos repórteres logo após o jogo de pré-temporada dos Colts contra o Chicago Bears. “Durante os últimos quatro anos, eu estive em um ciclo de lesão, dor, reabilitação, lesão, dor, reabilitação que nunca terminava, tanto na temporada como na offseason, e me senti preso dentro dele. O único jeito que consegui sair de dentro dele é não jogar mais futebol americano”, completou.

Luck se aposenta no melhor momento da carreira nos Colts

A decisão caiu como uma bomba no mundo da NFL justamente pela expectativa que estava sendo criada ao redor do Indianapolis Colts – um time que fez um 2018 extremamente promissor e que, com Luck em campo, brigaria por Super Bowl em 2019. Após anos sofrendo com linhas ofensivas ruins e pouco talento a sua volta, não era exagero dizer que este era o elenco mais talentoso dos Colts desde a chegada de Luck há sete anos.

O impacto da saída de Andrew Luck é gigantesco para a franquia – que passa de candidato ao título para um time que brigará por playoffs nas mãos de Jacoby Brissett. Trocado pelos Patriots no seu ano de calouro, o jovem já mostrou potencial para ser titular na NFL e não deve comprometer. O problema é substituir um dos maiores talentos que já surgiram nos últimos anos.

Quando esteve em campo, Luck foi um dos melhores

Mesmo antes de entrar na NFL, Andrew Luck já chamava atenção dos torcedores – especialmente dos Colts. Em uma temporada lastimável em 2011, com Peyton Manning contundido, a torcida de Indy criou uma campanha chamada “Suck for Luck”, ou seja, pedindo que a franquia perdesse os jogos para poder buscar o QB no Draft seguinte.

A assim aconteceu. Luck foi selecionado com a 1ª escolha geral com todas as características de um grande QB: tamanho, força no braço, precisão, inteligência e garra. Mesmo com linhas ofensivas muito ruins, ele levou Indianapolis aos playoffs nos três primeiros anos por lá (2012 a 2014).

Lesões, lesões, lesões…

Eis que a série interminável de lesões começou. Depois desfalcar a equipe em metade da temporada de 2015, o quarterback jogou quase todo o ano de 2016 contundido e sequer entrou em campo em 2017 – lutando contra um sério problema no ombro.

Finalmente saudável em 2018, e mais protegido, Luck foi um monstro em campo: lançou 4,593 jardas e 39 touchdowns, venceu o prêmio de Comeback Player of the Year e foi cotado para o prêmio de MVP.

Infelizmente, o QB passou toda a última intertemporada brigando com contusões. Luck passou meses lidando contra uma lesão na panturrilha que, inclusive, o afastou do training camp. Mais tarde, foi descoberto que era uma lesão no tornozelo.

O Indianapolis Colts perde o principal jogador da franquia e o público lamenta a aposentadoria precoce de um dos grandes nomes da NFL atual. Que a ‘era Brissett’ comece em Indy.

    Matheus Filippi

    Jornalista de Jundiaí e apaixonado pela NFL, Matheus Filippi é fundador e editor-chefe do Última Jarda

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Odds Shark Ad Bottom