Contagem regressiva Endzone Brasil – Drew Brees

Jovem promessa da Universidade de Purdue, Drew Brees acompanhou com expectativa o Draft de 2001, entretanto, se decepcionou ao não ser escolhido na primeira rodada. Apesar do talento já demonstrado, os analistas da época não levaram fé no quarterback, por ter uma estatura baixa demais para os padrões da NFL. O San Diego chargers, que já havia selecionado o monstro RB LaDanian Tomlinson na primeira rodada, não acreditou quando viu Brees ainda disponível, utilizou a primeira escolha da segunda rodada para selecionar o QB.Reserva do veterano Doug Flutie em seu primeiro ano na liga, Brees assumiu o posto de titular dos Chargers em 2002. Logo ele mostrou que a questão da altura não seria um problema, lançou mais de 3 mil jardas e 17 TDs naquela temporada. Em 2003 as coisas mudaram um pouco, as atuações irregulares fizeram com que ele perdesse o posto de número um ao longo da temporada. 

Drew Brees defendendo os Chargers (Site oficial/Chargers)

Com a aposentadoria de Flutie no fim daquele ano e a temporada ruim de Brees, San Diego tratou de selecionar o QB Philip Rivers no Draft de 2004. Como Rivers perdeu boa parte do training camp por uma questão contratual, Drew Brees foi o titular naquele ano. O camisa 9 foi brilhante, venceu o prêmio de comeback of the year e levou a equipe aos playoffs. Fato que mudou a cabeça dos dirigentes dos Chargers, que colocaram a “franchise tag” no jogador para que Brees não ficasse livre para negociar com outros times.

Drew teve mais um bom desempenho em 2005, mas sofreu uma grave lesão no último jogo da temporada contra o Denver Broncos. Ele rompeu o labro direito e lesionou o manguito rotador, muitos duvidaram se conseguiria lançar uma bola oval novamente.  Livre no mercado, Brees assinou com o New Orleans Saints, contratação de alto risco que despertou a ira de muitos torcedores da Big Easy.

Sentimento que não durou muito tempo. Devastada pelo furacão Katrina em agosto de 2005, o espírito de renovação e volta por cima se refletiu também no time da cidade. Os Saints tiveram uma temporada espetacular em 2006, primeiro ano da parceria entre Brees e o também recém-chegado técnico Sean Payton. Ao lado do RB Deuce McAllister e jovens talentos como Reggie Bush e Marques Colston, o camisa 9 teve o melhor ano de sua carreira até então, mostrando que estava totalmente recuperado da contusão. Ele liderou o desacreditado time a final da NFC, ficando a apenas uma partida de disputar o Super Bowl daquele ano. Apesar da derrota para o Chicago Bears na final da conferência, era o início de uma nova dinastia ofensiva na NFL.

Brees foi o MVP do Super Bowl XLIV (Site oficial/Saints)

Mesmo sem chegar na pós-temporada nos próximos dois anos, Brees lançou 9,502 jardas e 62 touchdowns, mostrando que o ataque dos Saints tinha potencial para chegar longe. Fato que se concretizou em 2009, a parceria entre Drew Brees e Sean Payton rendeu ao New Orleans Saints o primeiro Super Bowl da franquia. Após uma temporada irrepreensível de 13-3, New Orleans confirmou o título, após vencer nada menos que o Indianapolis Colts de Peyton Manning na grande final. Era a afirmação que faltava para Brees marcar seu nome como um dos melhores de todos os tempos.

Com a responsabilidade de defender o título no ano seguinte, o camisa 9 liderou os Saints mais uma vez aos playoffs, mas o time caiu diante do Seattle Seahawks no barulhento CenturyLink Field. O RB Marshawn Lynch no seu famoso “beast mode” destruiu a defesa adversária. No ataque, Brees sofria com um jogo terrestre quase inexistente.

Apesar de mais uma vez ficar pelo meio do caminho na pós-temporada, foi em 2011 que Drew Brees teve o melhor ano de sua carreira. Mesmo com a derrota por 36 a 32 para o San Francisco 49ers no Divisional, um os melhores jogos da história da NFL com quatro viradas no último período, Brees trucidou o recorde de jardas totais em uma temporada regular de Dan Marino que durava 27 anos. Ele lançou 5,476 jardas, marca superada somente por Peyton Manning em 2013. 

Depois de três temporadas consecutivas, New Orleans não foi aos playoffs em 2012, reflexo das punições que o time sofreu pelo escândalo do “bountygate” (pagar para atletas machucarem os jogadores adversários).  Brees teve um ótimo ano, mas a defesa dos Saints foi a pior da NFL na maioria das estatísticas. A ausência de do técnico Sean Payton, suspenso pela temporada inteira, foi determinante no desempenho do time.

Com Payton de volta ao comando da equipe, Brees liderou os Saints rumo aos playoffs pela quinta vez em 2013. Apesar da temporada muito boa, o camisa 9 foi parado totalmente pela espetacular defesa do Seattle Seahawks no Divisional Round. Nada que tire os méritos de um jogador fora de série, Drew Brees certamente terá um lugar no Hall da Fama da NFL quando se aposentar. Um líder dentro e fora de campo, capaz de dar a volta por cima e resgatar o orgulho de toda uma cidade devastada por uma tragédia. Um exemplo a ser seguido pelas próximas gerações.

    Matheus Filippi

    Jornalista de Jundiaí e apaixonado pela NFL, Matheus Filippi é fundador e editor-chefe do Última Jarda

    7 thoughts on “Contagem regressiva Endzone Brasil – Drew Brees

    • 7 junho, 2014 em 3:01
      Permalink

      Brees é o melhor QB da liga. Só não tem o marketing do Brady e do Manning. Queremos mais um anel. #whodat

      Resposta
      • 7 junho, 2014 em 3:33
        Permalink

        Concordo em parte. Ninguém faz mágica com alvos ruins. Compare a temporada de 2012 dos Saints com a temprada de 2013 dos Patriots. Mesmo em um ano muito ruim, Brees continuou batendo recordes de jardas enquanto Tom Brady ficou naquelas estatisticas montadas para manter alguém nos holofotes , tal como o maior vencedor de partidas no estádio tal usando o segundo uniforme em um dia de chuva sem comer carboidratos…
        Já o Payton Manning é, no mínimo, tão bom quanto. Mas não importa. Com a defesa arrumada (sem as baixas do ano passado) e novos WRs, Brees deve receber mais um anel no próximo ano…

        Resposta
    • 7 junho, 2014 em 17:10
      Permalink

      Pior que eu vejo pessoas falando que drew bress não é QB de elite. Hoje na liga existem 4 QB de elite Aaron Rodgers, peyton manning, tom brady e Drew bress. Drew bress é o jogador que mais passou das 5 mil jardas e até temporada passada era o jogador que mais jardas passou em uma única temporada. Drew bress pegou o time do saints que era um saco de pancadas e transformou em um time campeão de superbowl.

      Resposta
      • 9 junho, 2014 em 2:31
        Permalink

        De fato, em matéria de QB, acho que a NFL passa por um momento excepcional. Quantas vezes na história dessa liga houve quatro QBs com potencial para hall da fama atuando ao mesmo tempo? Manning, Brady, Brees e Rodgers estão entre os melhores da história. Para quem duvidar sugiro procurar uma estatística qualquer em que não apareça um dos quatro entre os 10 melhores de todos os tempos.

        Resposta
    • 9 junho, 2014 em 0:55
      Permalink

      O sujeito que diz que Brees não é de elite nem merece ser levado a sério. Pode haver preferências entre os BIG 3 ( coloco Rodgers um pouquinho de nada abaixo), mas com certeza Brees está no topo. #whodat

      Resposta

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Odds Shark Ad Bottom