A última jornada de Ray Lewis

Dia 3 de fevereiro entrará para a história, pois além de acontecer o Super Bowl XLVII será a última vez que um homem chamado Ray Anthony Lewis estará em um campo de futebol americano como jogador.  Não poderia haver um cenário melhor para a despedida de uma lenda viva desse esporte, um dos maiores exemplos de garra, determinação e comprometimento que o mundo já viu.

Desde o distante draft de 1996, Ray Lewis se tornou sinônimo de Baltimore Ravens, impossível falar de um e não se lembrar do outro.  Ele foi a 26º escolha geral daquele ano, a segunda da franquia que acabara de nascer. Era o início de algo grandioso, uma parceria que mudaria o mundo do futebol americano. Em 17 temporadas defendendo os Ravens, Lewis computou 228 jogos de temporada regular, 13 aparições no Pro Bowl, dois prêmios de jogador defensivo do ano (2000, 2003) e o título de campeão do Super Bowl XXXV, no qual foi escolhido o MVP da partida.

Mas falar de Ray Lewis vai muito além de números, ele é um símbolo de garra e determinação que inspirou e ainda inspira gerações. A liderança exercida dentro e fora de campo aliada a técnica e a vontade única de superação faz o camisa 52 transcender a barreira de atleta para ser um dos mitos desse esporte.


 Como ele mesmo diz no discurso de abertura do Madden 13: “Não importa o que você tem que fazer para provar seu legado, em cada segundo da sua vida. Por quem você será lembrado? Como será lembrado? Quanto lutaria para atingir seu maior objetivo? Deixe sua marca na eternidade para sempre”. Vídeo que foi gravado antes da temporada começar, parece que estava adivinhando como seria o último ano de sua carreira.

O linebacker sofreu uma ruptura completa do tríceps na sexta rodada, ficando de fora do resto da temporada regular. Muitos deram a carreira dele como acabada, se uma lesão desse porte já terminaria com o ano de vários atletas, imagine um de 37 anos. Bem, uma coisa que o universo ensinou é que não devemos duvidar de um homem chamado Ray Lewis.  Ele se recuperou e estava à disposição do técnico John Rarbaugh já na semana 16, mas como Baltimore estava classificado para os playoffs ele foi poupado para jogar a pós-temporada. Antes do jogo de Wild Card contra o Indianapolis Colts, Lewis disse que essa seria a última jornada da carreira dele. E que jornada foi essa.

Após derrotar os Colts jogando em casa, os Ravens surpreenderam a todos eliminando os Broncos de Peyton Manning e os Patriots de Tom Brady, ambas as partidas longe de seus domínios. Apesar dos 44 tackles nas três partidas, melhor número dessa pós-temporada, a presença do jogador Ray Lewis não foi crucial para o sucesso do time, mas a do líder Ray Lewis foi.

O time estava jogando para ele, a motivação desse elenco era levar a despedida do camisa 52 para o Super Bowl, no dia 3 de fevereiro. Missão cumprida. O ato do CB Carry Williams levar a bola da interceptação que definiu o título da AFC nas mãos de Lewis fala por si só. O também cornerback Corey Graham definiu o espírito que motivou esse grupo: “Você não quer ser a pessoa que vai decepcionar Lewis”.

Uma história digna daqueles filmes de lendas do esporte, que terá seu último capítulo escrito daqui a dez dias no Super Bowl XLVII. Independente do seu desfecho, uma coisa já é certa: Ray já deixou sua marca na eternidade para sempre.

Eis o vídeo feito por ele na abertura do Madden 13 citado no texto:
 
 

Jornalista de Jundiaí e apaixonado pela NFL, Matheus 
Filippi é colaborador do @NFLBrasil.

    Última Jarda

    Time Última Jarda - as principais notícias do mundo da NFL estão aqui!

    One thought on “A última jornada de Ray Lewis

    • 24 janeiro, 2013 em 21:02
      Permalink

      LEWIS LENDA VIVA!!!! vai ser de mais esse super bowl!

    Fechado para comentários.

    Odds Shark Ad Bottom