Philadelphia Eagles: de candidato a Super Bowl para pior campanha da NFC

Traning camp sem lockout, reforços na defesa, muito talento individual… O Philadelphia Eagles tinha tudo para dar certo em 2012, mas deu tudo errado. Por quê? Nada melhor do que os próprios torcedores da equipe para explicar essa má fase sem fim que vive o time de Philly. O NFL Brasil em parceria com o pessoal do Philadelphia Eagles Brasil listou os cinco principais motivos do mau desempenho das Águias. Se um desses fatores já é o suficiente para acabar com as chances de playoffs, imagine todos juntos.

1 – Lesões, lesões e mais lesões…

Um time sem uma linha ofensiva eficiente não ganha jogos na NFL, simples assim. Ao todo foram quatro dos cinco titulares da OL machucados ao longo da temporada, sendo que o principal deles , o LT Jason Peters, sequer entrou em campo em 2012. São muitas baixas em um mesmo setor, não há preparação que consiga manter o nível de atuação. O ataque também perdeu por contusão jogadores importantes como LeSean McCoy, Desean Jackson e Michael Vick. Não considero essas últimas lesões determinantes, pois aconteceram quando o time já estava com um pé e meio fora da pós-temporada.

2- Michael Vick e o playcall do time

O Eagles foi de oitavo melhor ataque em 2011 para o quarto pior em 2012, quem é o principal culpado? O QB Michael Vick? Não é bem assim. Todo aquele papo de “manter Vick saudável” do início do ano fez com que o técnico Andy Reid segurasse o quarterback dentro do pocket para não se contundir, acabando com o dinamismo do camisa 7. Vick nunca foi um “pocket passer” e nem vai ser um dia, é absurdo colocá-lo para lançar a bola 52 vezes em um mesmo jogo. Junte um playcall que prioriza o passe, uma linha ofensiva recheada de desfalques e um QB que não é bom em tomar decisões rápidas para ver um desastre completo.

3- A demissão do coordenador defensivo Juan Castillo

Já ouviu falar na expressão: ruim com ele, pior sem ele? Foi exatamente o que aconteceu na Philadelphia. Coordenador defensivo até a semana 6, Juan Castillo vinha sendo muito criticado por não conseguir parar o ataque adversário em situações de terceira descida. Em uma decisão até de certo ponto desesperada, Andy Reid demitiu Castillo e colocou em seu lugar Todd Bowles, ex-técnico da secundária.  Na tentativa de salvar a temporada, Reid acabou jogando tudo pelo ralo.

Apesar do fraquíssimo desempenho da linha defensiva no comando de Castillo (disso falaremos mais tarde), a defesa pelo menos estava roubando bolas, foram sete interceptações. Desde que Bowles assumiu, o time não sabe o que é uma interceptação. A Defesa virou uma bagunça completa, sem comando e sem organização alguma. Não estou crucificando Bowles, a culpa é da direção do Eagles que colocou um profissional sem o menor preparo para ser coordenador defensivo em uma baita fogueira.
4- Desempenho da linha defensiva

Foi-se o tempo que a linha defensiva do Eagles era temida. O time conseguiu impressionantes 50 sacks em 2011 utilizando a “revolucionária” técnica de Wide-9, ou seja , espalhar um pouco mais os jogadores para chegar mais rápido ao QB adversário. Acontece que a tática deixou de ser novidade e somente a comissão técnica não percebeu isso. Os times já sabiam como anular a Wide-9 em 2012, mas o técnico da linha defensiva, Jim Washburn, continuou insistindo no erro. Foram 20 sacks nos 13 jogos sob o comando de Washburn, bastou demiti-lo que a equipe chegou oito vezes ao quarterback adversário em apenas dois jogos. Coincidência? Acho que não.

5- Turnovers

O torcedor do Eagles está tão acostumado que nem liga mais para essa palavrinha que vem assombrando Philadelphia nos últimos anos. Mais um ano se passou, mais uma vez os erros individuais acabaram com qualquer chance de pós-temporada. Foram 34 turnovers esse ano, número que chega próximo aos absurdos 38 cometidos em 2011. Não é a toa que o emprego do técnico Andy Reid está por um fio, o vitorioso treinador simplesmente não teve capacidade para solucionar esse e muitos outros problemas que vem de longa data. Aqui Vick também tem sua parcela de culpa.  Por mais que esteja pressionado, é inadmissível um quarterback titular da NFL sofrer 10 fumbles em 9 partidas.

Agora, o que esperar de 2013? Mudanças radicais devem ocorrer pelos lados de Philly, se o mundo não acabar amanhã, provavelmente Andy Reid não será mais o treinador ano que vem. Reid não deve ser o único a ficar desempregado, cabeças devem rolar em todos os setores do time.  Daí para frente é difícil prever, será que a nova comissão vai manter o calouro Nick Foles ou vai dar mais uma chance a Michael Vick? Vão conseguir tirar proveito da alta escolha que terão no draft? Só depois dessas definições é possível traçar um panorama do desempenho do time ano que vem.

Jornalista de Jundiaí e apaixonado pela NFL, Matheus 
Filippi é colaborador do @NFLBrasil.

    Última Jarda

    Time Última Jarda - as principais notícias do mundo da NFL estão aqui!

    One thought on “Philadelphia Eagles: de candidato a Super Bowl para pior campanha da NFC

    • 21 dezembro, 2012 em 1:46
      Permalink

      Muito boa essa análise! Concordo plenamente com os pontos abordados. Andy Reid já deu, é um técnico ultrapassado, que já demonstrou não saber trabalhar com um mega time. Sorte aos águias em 2013.

      Resposta

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Odds Shark Ad Bottom